Jovem de 17 anos é condenado por carbonizar influenciador de Ubatuba

Um adolescente de 17 anos, cuja identidade está em sigilo, foi condenado pela morte do influenciador digital, Fabrício Tcheller, em Ubatuba. O crime ocorreu no fim de dezembro de 2021, quando a vítima foi torturada e carbonizada dentro de sua casa, na Praia do Lázaro.

A linha de investigação da Polícia Civil aponta que a motivação do homicídio seria homofobia. Tcheller inclusive chegou a registrar diversos boletins de ocorrência relativos às ameaças que sofria. O jovem acusado foi encaminhado para a Fundação Casa. Um segundo suspeito também é investigado por participação no homicídio.

A morte do influenciador

O influencer, de 30 anos, foi encontrado morto em sua casa após um incêndio. Conhecido por seu canal “Tcheller Notícias”, ele teria sido esfaqueado e amarrado antes de ser queimado.

A casa de Fabricio foi construída em um terreno onde vários familiares moram ao redor. Segundo o boletim de ocorrência, uma das tias dele, por volta de meia-noite o ouviu chegando em sua moto. Por volta das 4h30, outra tia “acordou ouvindo gemidos e saiu na varanda de sua residência para ver de onde vinha o som”. Ela relatou, porém, que não conseguiu identificar de onde vinha o barulho, já que o som era abafado, como se a pessoa estivesse com algo na boca.

Dez minutos depois, a tia que ouviu Tcheller chegando começou a gritar que a casa dele estava pegando fogo. As duas relatam que havia grande quantidade de fumaça saindo do interior da casa. Elas pegaram a mangueira e olharam pela porta que estava entreaberta, tentando apagar as chamas, mas eram muito fortes.

Neste momento uma delas conseguiu ver que havia alguém na cama “imersa nas labaredas”. Ela contou ainda que a água não era suficiente para conter as chamas, então acionou os bombeiros, que compareceram no local e extinguiram o incêndio.

Durante os trabalhos periciais foi verificado que a porta não estava arrombada, o celular foi encontrado carbonizado e os documentos parcialmente destruídos.

Seguidores

Tcheller trabalhava em um canal de notícias sobre a região e tinha quase 18 mil seguidores em sua página no Instagram. O crime chocou a população de Ubatuba, que se manifestou em apoio à mãe do jovem nas redes sociais. Entre as publicações, amigos reafirmam que Fabricio vinha recebendo ameaças.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.