no dia de Iemanjá, Graziano deitou fora seu chapéu panamá

no dia de Iemanjá, Graziano deitou fora seu chapéu panamá

coluna de opinão da série “viagem pitoresca & histórica ao brasil pátria amada brasil”

texto & fotos de Márcio Pannunzio

Na quarta-feira, dia 2 de fevereiro a orla da praia do Perequê se vestiu de branco e pulsando ritmada no compasso retumbante da percussão dos tambores do maracatu Marabantu, festejou a rainha do mar, Iemanjá.
O trajeto da praça da pimenta de cheiro até o píer do Perequê foi feito por uma multidão quase toda mascarada para se proteger da covid, alegre por participar de um evento popular que sim, deu a cada participante o gosto de viver Ilhabela num deleite verdadeiro e não no daqueles promocionais desses banners fotográficos que empesteiam a princesa Isabel na intenção de transportar a turistada e moradores desavisados numa lisérgica viagem ao mundo faz de conta de campanha publicitária de margarina família feliz.

Uma grande roda humana plural se formou ao lado do píer e cantou pra Iemanjá. As pessoas desceram ao mar e lançaram flores na sua superfície como se delicadamente as plantassem.

Flores foram plantadas em canteiros da avenida e esse feito foi, com o recorrente estardalhaço da publicidade oficial, comemorado.
Quem viaja pelo interior por vezes se depara com cidades de jardins e praças belamente ornamentados. São motivo de orgulho dos munícipes que, se administração local deles falasse em “ecologia da paisagem”, com incredulidade olhariam para seus gestores. Plantar flores é bom; é ótimo. Cultivar a beleza no espaço urbano é importante para o bem comum.

Por Ilhabela em seu perímetro principal ter de um lado um mar calmo e cálido e doutro a exuberante floresta cobrindo o contorno das montanhas, acostumou-se a negligenciar a construção duma cidade urbanisticamente bem planejada e bela, com um paisagismo tão bem cuidado quanto o dessas cidadezinhas que com tamanho carinho criam e cuidam das suas plantas de cartão postal. Resulta que Ilhabela é uma cidade feia e a concordar com as incontáveis queixas nas redes sociais, muito mal cuidada.
No quesito ecologia de paisagem levou bomba na escola.
Melhor exemplo dessa ecologia bem resolvida a gente encontra em lugar que jamais poderia ser tido como paradisíaco do jeito que nos tentam convencer os onipresentes banners oficiais de fotos bem feitas, porém, nada boas.
Pra quem chega a São Paulo da ilha, a lição exitosa está bem ao lado margeando um rio emuralhado de pele opaca, lodosa e mal cheirosa. Uma profusão de verde e cores floríferas de encantar o mais desencantado dos espíritos. Uma estreita e alongadíssima faixa de terra onde habitam capivaras em paz com o caos do mundo humano; os carros e caminhões fumarentos passando perto delas barulhentos sem as perturbar.

Ilhabela, nos informam algumas dessas fotos propagandistas da princesa Isabel, escolheu o papagaio moleiro como sua ave símbolo. Escolha acertada e não pela piada infame de que ela aconteceu estimulada pelas papagaiadas, tagarelices da municipalidade. Essa ave encantadora, duma inteligência desconcertante, vivacidade e alegria contagiante, também os gringos encantou a ponto de criarem o Zé Carioca, personagem simpático e faceiro dum Rio de Janeiro idílico que não existe mais, sucumbido hoje na barbárie.

o papagaio de papel na placa da propaganda

o papagaio de verdade, na Área de Soltura Monitorada Cambaquara

Esqueceram de informar que até antes da consagração do papagaio moleiro como ave símbolo da cidade, nela existia a Área de Soltura Monitorada Cambaquara, criada e mantida por moradores zelosos empenhados em proteger não apenas essa ave, mas outras tantas nativas na região e de grande importância. Pois a Cambaquara persevera em seu trabalho apesar de deixada à míngua pela prefeitura, dona dum orçamento milionário que faz de Ilhabela uma das mais ricas cidades do Brasil. Bem na foto, desprestigiada pelo poder público municipal na real, vai pois sobrevivendo a duras penas a ave símbolo do pujante arquipélago.

Com uma receita estimada de 850 milhões para 2022, foi rápida a benção dos vereadores, em nova sessão extraordinária, num folgado placar de 7×2, aprovando o projeto de reforma administrativa. Quase 190 milhões é o que a ilha gasta para manter perto de três mil servidores públicos atendendo a uma população de 36.194 pessoas na última conta do IBGE ou mais de 50.000, em projeção onde sejam considerados consumo de energia elétrica e de água e a geração de lixo. Como foi emprego no Banco do Brasil no passado, hoje é ambição, é sonho de muita gente, emprego na prefeitura de Ilhabela.

Querendo pensar grande, quem sabe como capital de estado, o executivo queria criar três subprefeituras, uma delas, no Bonete. Comunidade em polvorosa diante do risco de perderem suas terras para a prefeitura, cujos fiscais lavraram notificações amedrontadoras para vários habitantes que a todos alarmou e mais ainda com o risco de demolição da sua querida igreja, tão singela. Depois de quase uma semana, dum abaixo assinado com mais de sete mil assinaturas botando a boca no trombone das redes sociais pro despautério em curso, depois de Ilhabela voltar a marcar péssima presença na prestigiosa coluna Mar Sem Fim do jornalista sem papas na língua João Lara Mesquita, alocada pro Brasil inteiro ler no corpo austero do Estadão, veio a campo trôpego o povo da comunicação institucional dizer que era tudo “fake news”.

Foi até oportuno que o nobres edis cortassem essas subprefeituras. Mas como criaram uns tantos outros cargos de secretário adjunto, essa estranha figura que seria a sombra do titular e por isso vai ganhar quase tanto quanto ele, as coisas ficaram elas por elas. E assim a cultura que jamais teve secretário adjunto, agora, finalmente, para o júbilo da classe das artes & letras & artesanias, o terá.

e logo no dia de Iemanjá …

Xico Graziano, responsável pelo plantio das flores no insosso canteiro da avenida da princesa, correu ao instagram e deitou fora seu chapéu panamá com estardalhaço. Havia renunciado o cargo de secretário do meio ambiente de Ilhabela.

Em entrevista à Folha, alegou que saiu porque é honesto, assim deixando subtendido que para continuar, precisaria ser desonesto. Sua fala lança pesadas suspeitas sobre a gestão atual.
Graziano chegou a ela como estrela solitária num secretariado de gente de pouca expressão e de limitada qualificação. Envergava um currículo de amplo espectro e o palácio sauna de cristal matagado, apesar da sua exuberância labiríntica, fez figura acanhada perto dos outros em que transitou. Bolsonarista arrependido, alinha-se agora ao presidenciável ex-juiz afortunado empresário Sérgio Moro e ao fazê-lo, imita cuspir em prato que comeu.
Sai da prefeitura em mau papel de protetor de ambiente, porque ao lançar bosta no ventilador, emporcalhou à larga a arena política insular. Age de forma similar ao do seu novo ídolo, posando de puro renascido dos ímpios.

Quando aceitou ser secretário, não era novidade pra ninguém que participaria dum governo de inclinação autoritária, espírito populista, inspiração clientelista e filiação direitista, numa coloração próxima ao atual de Brasília. Da mesma maneira, para o magistrado celebridade de Curitiba, não era desconhecido quem era Bolsonaro e quais eram os seus objetivos, por sinal alcançados, de espalhar a infâmia e destruir o país.

Os que em Ilhabela gritaram eufóricos “volta logo” gostaram do que tinha vindo antes. Não deveriam esperar diferença com o que já veio agora e poderá vir adiante.

Ilhabela rachou; menos de um por cento acima da metade do eleitorado escolheu a volta, a outra metade, não. Entretanto, o discurso oficial é o de que a vitória foi esmagadora e convém então que a egrégia câmara e os laboriosos conselhos municipais se dobrem todos subservientes ao despotismo do executivo na sua perseguição implacável de executar rapidamente seu portentoso plano de governo.

O belo discurso grazianista magoado instagramado conclamando pelo combate à miséria de Ilhabela que não mais se entoca pelas quebradas, buracos e pirambeiras, delas extravasando feito queda de barreira, não encontraria campo fértil numa maneira de governar que pouco ouviu e nem hoje ouve com maior atenção, as lamúrias dos pobres, preferindo o discurso música pros ouvidos principescos doutras freguesias; a música duma nota só: indústria do turismo acima de tudo e de todos viva a especulação imobiliária e tasque obra e mais obra grandiosa em nome desse salve salve glorificado dogma predador de royalties.
Com seu orçamento quase bilionário Ilhabela poderia fazer muito pelos seus desvalidos. Ideias não faltariam; bastaria seguir o exemplo dos municípios virtuosos que não tiveram receio de ser democráticos no seu comando, criativos e corajosos no seu fazer e principalmente, solidários e respeitosos com a sua população, a escutando e lhe concedendo protagonismo. Ilhabela tem musculatura para implantar até mesmo um programa de renda básica com real poder de mitigar a miséria que tanto espantou Graziano. Mas ao invés disso, escolheu ao longo dos anos tocar obras controversas e parte delas precisou ser refeita nem bem concluída por causa do seu projeto e execução medíocres; pagar shows milionários para mosca ver; gastar em concurso nacional de miss, o miss Brasil emotion; financiar escola de samba da capital; subvencionar eventos esportivos caça-níqueis, conhecidos por cobrarem inscrição dos seus participantes esportistas de primeira viagem amadores; pagar aluguel de estátua em área pública; fazer desapropriações inúteis; despender farto dinheiro público em locação de tendas; deixar a merda & lixo correr solta degradando mar e cachoeiras; financiar exposições de arte milionárias sem passarem por concurso ou licitação, embasado na vaga argumentação da capacitação dos realizadores; adquirir aquabus por milhões para se desmantelarem sem nunca navegar; gastar e muito num urbanismo estúpido que enfeia, desumaniza e mortifica a cidade; fazer má zeladoria do espaço público entre outras tantas más ações listadas na imprensa e categorizadas em relatórios do Tribunal de Contas que se acumulam inermes. Não dá, por economia de verborragia e, principalmente, da pouca paciência dos leitores, de inventariar ainda mais itens.

“Ilhabela não precisa de grandes, e polêmicas, obras. Mas precisa sim de um olhar humano, de políticas emancipadoras, de educação, civilidade, respeito aos direitos, justiça social.” Palavras de Xico Graziano no instagram.

Apesar da sua avaliação sensível e ajuizada das reais mazelas de Ilhabela e da imperiosa necessidade de mudança de foco da gestão da cidade, Xico Graziano deveria, honrando a honestidade da qual se vangloria e para o bem da sua biografia e o de Ilhabela também, esmiuçar as razões éticas que justificaram sua saída, esclarecendo esse comportamento buliçoso que, muitos podem rotular, como leviano, ao espalhar dúvidas sobre a lisura da administração que integrou.

Kenner Neiva, em postagem no Essa gente, a #escandalo – ETE da Feiticeira, dinheiro público indo pro esgoto, ilumina ações controvertidas na secretaria ora sem secretário ao mesmo tempo em que conclama à resistência, assertivamente, vereadores e  moradores de Ilhabela.

3 Replies to “no dia de Iemanjá, Graziano deitou fora seu chapéu panamá”

  1. frpornosexe big tit woman dildos her snatch.
    cum from gross fat guy. indianxnxx swallowed adorable teens take turns sucking a big cock.
    xxxbunker

    Excelente abordagem sobre uma questão não tão controversa, posto que aqueles que bradaram o “volta logo” tinham ciência do grau de improbidade do candidato, apontada pela justica em inúmeros processos, dos quais também deveria saber o ilustre secretario que se demitiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.