Outra mulher é resgatada de cárcere privado durante a quarentena no Litoral Norte

Os casos foram registrados em Caraguatatuba e Ubatuba, onde marido mantinha esposa e filha de 5 anos sob ameaças

0
368
Flagrante aconteceu na tarde de hoje em Ubatuba (Foto: PM/ Divulgação)

Uma mulher mantida em cárcere privado pelo marido no bairro Folha Seca, em Ubatuba, foi resgatada pela Polícia Ambiental na tarde desta quinta-feira (16). Esse é o segundo caso registrado em dois dias durante a quarentena contra o coronavírus (Covi-19) no Litoral Norte. A PM informou que os casos de violência doméstica aumentaram visivelmente durante o período de isolamento.

- Publicidade -

Durante patrulha pela região, a equipe da polícia viu um homem em atitude suspeita em frente a uma casa; ao perceber a chegada da viatura ele correu para um matagal. Nesta hora, saiu de dentro da casa uma mulher identificada como S. M. L.; segundo os policiais ela estava desesperada e pediu por socorro, alegando que seu marido,  J. L. R, o homem que havia fugido pelo mato,  vinha mantendo ela e sua filha de 5 anos, L. R., presas no interior da residência e proibindo qualquer contato com familiares.

A vítima disse ainda que era constantemente ameaçada pelo marido armado com uma faca, além de sofrer agressões físicas e verbais. E para que a mulher não fosse embora, o marido  havia retido seus documentos pessoais, celular, cartão de banco etc.

Os policiais aguardaram a vítima pegar seus pertences e conduziram mãe e filha à Delegacia da Mulher de Ubatuba, onde a delegada de plantão constatou que havia medida cautelar contra o acusado, que a descumpriu.

A vítima informou aos policiais que iria embora com sua filha para outro município onde residem seus familiares. O homem acusado ainda não foi localizado.

Caraguatatuba

O primeiro caso noticiado pelo jornal Nova Imprensa foi registrado nesta quarta-feira (15), no bairro Perequê Mirim, região sul de Caraguatatuba. Uma mulher de 38 anos que era mantida em cárcere privado por seu companheiro, de 21, foi resgatada pela Polícia Ambiental e contou que seu ex-companheiro a torturava e violentava sexualmente.

Os policiais chegaram à residência graças a uma denúncia anônima. Em uma conversa longe do suposto agressor, a vítima afirmou que era constantemente espancada e estuprada. Ela mostrou à equipe várias manchas roxas em seu corpo o suspeito foi preso. Ele nega as acusações.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, informe seu nome aqui