viagem pitoresca e histórica ao brasil pátria amada brasil

1
146
fappornvideos.com www.xxnx.sex phimtube
- Publicidade -

primeira coluna

- Publicidade -

A pandemia do coronavírus campeia sem obstáculos a sua passagem virulenta e mortífera na terra brasileira e cria variantes cada vez mais transmissíveis e letais; mas não é ela o padecimento maior que vivemos e que, verdadeiramente, aflige, adoece e mortifica cada vez mais e cruelmente todo brasileiro, toda brasileira que tem informação, que tem consciência e que tem empatia.

Viagem pitoresca e histórica ao brasil pátria amada brasil é o nome desta nova coluninha listada como de opinião no Nova Imprensa. Pomposo como era de hábito ser antigamente todo nome que se vendia erudito, não quer ser farsa da viagem original de Debret naquele Brasil colônia tão pobre, tão ignorante, tão pestilento, tão violento; surreal ao olhar civilizado de hoje.

É coluninha porque, marcando diferença em relação à foto em foco, não irá estampar textão com fotografia à guisa de ilustração. Pois ela não tem a pretensão de ser palco da palavra, mas sim, da imagem. Fotográfica ou criada desenho, monotipia, gravura. Preferencialmente, imagem desenhada a lápis, a nanquim, a gouache e imagem feita pela técnica democrática da gravura. Fotos hoje em dia toda a gente faz e o faz compulsivamente. Já desenhar e gravar…

O desenho e essa sua parente querida, a gravura, são ambos ilustres desprezados. Habitaram no passado mansão no território das artes e hoje, tão humilhados, vivem o cruel ostracismo dos moradores de rua, feito esse da última das fotos, deitado não em berço esplêndido, mas na imundície da calçada.

Jean Baptiste Debret inspira este espaço. Produziu uma enormidade de gravuras retratando o Brasil colonial. Quase duzentas litografias ilustrando o livro Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil que encantou a Europa oitocentista e hoje, tristemente, desencanta muito brasileiro.

Mais que desencanta, indigna. Ofendeu profundamente um grupo de músicos baianos que com elas se revoltaram a ponto de criarem um enorme rebuliço no hotel onde se hospedavam e que exibia algumas dessas imagens icônicas de Debret como peças de decoração nas paredes. Um desses músicos, tomado de cólera, chutou as reproduções do artista francês.

Chutes não vão apagar o nosso passado.

Se o protagonista do filme  apocalypse now, roteirizado a partir do romance imortal coração nas trevas, o capitão Benjamin Willard, percorresse hoje não um obscuro canto da África e sim o Brasil de agora em busca do coronel Kurtz, ouviria a mesma curtíssima frase que imortalizou o filme de Coppola e o romance de Conrad: o horror, o horror!

Quando grande demais é o horror, qual palavra pode nomeá-lo a sua verdadeira altura?

A gente se desespera tentando encontrá-la, mas ela não vem.

As imagens que habitarão esse novo espaço no Nova Imprensa serão isso: imagens de horror. Como de horror se parecem as litografias de Debret diante do nosso olhar humanitário.

Assim como os chutes do irado músico baiano não vão conseguir mudar nosso passado escravista, xingamentos, ofensas, provocações, ameaças feitas às imagens que forem estampadas aqui neste espaço virtual não apagarão nosso funesto presente porque é ele o mote delas.

E elas todas são, essencialmente, reflexos fugazes na tela do celular ou na tela maior do tablet ou do notebook. Da lavra deste simplório articulista que, evidentemente, sem o talento de Jean Baptiste Debret, se investe no dever cívico de tentar inutilmente perenizar, sob a inspiração maior desse artista genial, o cotidiano do brasil pátria amada brasil cujo horror trocou pátria por pária e amada por odiado mundo afora.

Concluída essa apresentação, passemos ao que interessa.

Para inaugurar a coluna, sete fotinhos.

Com destaque pra essa primeira delas: pessoas de variadas cores e idades colidindo umas com as outras por não se enxergarem e nem a paisagem ao seu redor enxergarem entretidas em só olhar hipnotizadas seus espelhos de Narciso; fotozinha essa datada de 17 de julho de 2018.

Antes, portanto, da consagração do horror na pátria mãe não mais gentil.

- Publicidade -
frpornosexe big tit woman dildos her snatch.
cum from gross fat guy. indianxnxx swallowed adorable teens take turns sucking a big cock.
xxxbunker
Matéria anteriorJuiz proíbe novas nomeações para cargos da Prefeitura de São Sebastião
Próxima matériaPrefeitura publica novas nomeações mesmo com proibição da Justiça
Márcio Pannunzio, que reside em Ilhabela desde 1989, é artista plástico, fotógrafo, ilustrador, cartunista e jornalista. Seu trabalho de artista gráfico correu mundo e conquistou doze prêmios internacionais, entre eles, na XYLON 12 – International Triennial Exhibition of Artistic Relief Printing ( Suíça ), na Biennale Internationale d’Estampe Contemporaine de Trois-Rivières, Première Édition ( Canadá ), no 3º Concurso Internacional de Minigrabado “Ciudad de Ourense” ( Espanha ), na BIMPE V – The Fifth International Biennial Miniature Print Exhibition ( Canadá ), na 1st International Small Engraving Salon Inter – Grabado 2005 ( Uruguai ). No Brasil foi premiado em trinta e nove ocasiões entre elas: no 10º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no 50º Salão Paranaense, na 10ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba, no 3º Salão Victor Meirelles, no 2º Salão SESC de Gravura, no 26º Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional – Contemporâneo, no 7º e no 3º Salão UNAMA de Pequenos Formatos, na VIII e na VII Bienal do Recôncavo, na II Bienal da Gravura, na 4ª e na 2ª Bienal de Gravura de Santo André, na 5ª e na 3ª Bienal Nacional de Gravura Olho Latino. Foi bolsista da Fundação Vitae em 2002 e figurou entre os vencedores dos editais ProAc de Artes Visuais de 2008, 2010 e 2011. Realizou trinta e uma individuais, cinco delas no exterior. Pratica a fotografia de rua e investe também no fotojornalismo. É colaborador exclusivo da Istockphoto da Getty Images e parceiro da agência de fotojornalismo Foto Arena. Como jornalista colaborou como articulista na primeira versão do Jornal da Ilha, na Folha da Cidade, na revista por dentro do Baepi. Assina a coluna de opinião foto em foco no Nova Imprensa desde 2016.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, informe seu nome aqui