Num Brasil distópico onde é xingado de idiota quem sai à rua em defesa da educação e da ciência, o funcionamento do tempo e a ação da natureza desandam. A sensação de urgência, de falta de ar dando dor no peito nos sobressalta no sono e na vigília. E o clima, ah, o clima…

- Publicidade -

Uma chuvarada se derramou sobre nós. Em Ilhabela, os extremos da cidade não mais se comunicam por ficarem os caminhos interditados.

E como o Brasil é aqui, aqui chegou a Polícia Federal invadindo casas e repartições. Logo na Semana da Cultura Caiçara, o prefeito caiçara foi afastado do cargo num dia para ser cassado noutro.

E a Congada de Ilhabela na Festa de São Benedito, o ponto alto da Semana, que desde sempre foi abençoada por céus azuis, teve o levantamento do mastro fustigado por chuva e chuva mais grossa impediu os congueiros de se exibirem ao ar livre na manhã do sábado.

Se isso frustrou tirar foto deles, por outro lado estimulou escapar ao lugar comum de foto de Congada procurando encanto onde ele se oculta. As fotos da coluna vão dar protagonismo a gente que fica escondida nos bastidores dessa festa: devotos de São Benedito que trabalham infatigavelmente para bem alimentar um batalhão de pessoas que ocupam todo o espaço do grande salão paroquial da igreja matriz e ainda formam extensa fila para lá entrar.

Gente que se acostumou a ficar na sombra, sem brilhar em fotografia e filme como brilham os congueiros coloridos se confrontando no calçamento sob o olhar embevecido da plateia.

Todavia, é essa gente merecedora de estampar capa de jornal e se isso agora não acontece porque em nossos distópicos tempos o Nova Imprensa não virou impresso, fica essa gente ao menos destacada para embelezar esta foto em foco.

Matéria anteriorQueda de barreiras pode deixar São Sebastião sem energia elétrica
Próxima matériaSAÚDE E BELEZA – Ansiedade
Márcio Pannunzio
Márcio Pannunzio, que reside em Ilhabela desde 1989, é artista plástico, fotógrafo, ilustrador, cartunista e jornalista. Seu trabalho de artista gráfico correu mundo e conquistou doze prêmios internacionais, entre eles, na XYLON 12 – International Triennial Exhibition of Artistic Relief Printing ( Suíça ), na Biennale Internationale d’Estampe Contemporaine de Trois-Rivières, Première Édition ( Canadá ), no 3º Concurso Internacional de Minigrabado “Ciudad de Ourense” ( Espanha ), na BIMPE V – The Fifth International Biennial Miniature Print Exhibition ( Canadá ), na 1st International Small Engraving Salon Inter – Grabado 2005 ( Uruguai ). No Brasil foi premiado em trinta e nove ocasiões entre elas: no 10º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no 50º Salão Paranaense, na 10ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba, no 3º Salão Victor Meirelles, no 2º Salão SESC de Gravura, no 26º Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional – Contemporâneo, no 7º e no 3º Salão UNAMA de Pequenos Formatos, na VIII e na VII Bienal do Recôncavo, na II Bienal da Gravura, na 4ª e na 2ª Bienal de Gravura de Santo André, na 5ª e na 3ª Bienal Nacional de Gravura Olho Latino. Foi bolsista da Fundação Vitae em 2002 e figurou entre os vencedores dos editais ProAc de Artes Visuais de 2008, 2010 e 2011. Realizou trinta e uma individuais, cinco delas no exterior. Pratica a fotografia de rua e investe também no fotojornalismo. É colaborador exclusivo da Istockphoto da Getty Images e parceiro da agência de fotojornalismo Foto Arena. Como jornalista colaborou como articulista na primeira versão do Jornal da Ilha, na Folha da Cidade, na revista por dentro do Baepi. Assina a coluna de opinião foto em foco no Nova Imprensa desde 2016.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, informe seu nome aqui