Prefeitura suspende pagamentos para investigar Ilhabela Comedy

Caso veio à tona após paródia sobre o preço do camarão viralizar nas redes sociais

0
383
Caso veio à tona após piada com preço do camarão de Ilhabela viralizar (Foto: Divulgação)

O prefeito de Ilhabela, Márcio Tenório, determinou nesta segunda-feira (22) a abertura de sindicância para apurar denúncias feitas pelos humoristas contratados para o Ilhabela Comedy 2019 sobre suposto desvio nos pagamentos de cachês. Inicialmente a administração informou que não existia nada irregular no contrato, mas após a repercussão do caso, suspendeu todos os pagamentos relativos ao evento até que os fatos sejam devidamente esclarecidos.

- Publicidade -

O chefe da pasta responsável pelo evento, professor Beto, foi convocado pela Câmara Municipal para prestar esclarecimentos sobre o processo de contratação e realização do evento. Segundo o ofício 047/2019, o secretário deve comparecer ao plenário nesta terça-feira (23), acompanhado do dono da empresa L.F.H.M Comunicação Eirelli e munido de toda a documentação do evento. Todos os vereadores assinaram a convocação.

O caso

Após uma paródia que o comediante Maloka fez sobre o preço do camarão em Ilhabela, comentários nas redes sociais trouxeram à tona uma suposta irregularidade nos pagamentos do evento. Segundo o Diário Oficial do Município, o cachê firmado com o artista era de R$ 12 mil, mas ele afirma que recebeu R$ 1,7 mil. Depois do vídeo viralizar, com mais de 40 mil visualizações, outros comediantes também afirmaram ter recebido menos do que estava designado no contrato público.

Maloka denunciou ainda ter rebebido ameaças por denegrir a imagem do turismo no arquipélago e acabou nem se apresentando no evento. Na data marcada, ele subiu ao palco apenas para se manifestar sobre a situação.

O evento aconteceu entre os dias 19 e 21 de abril e teve a presença de 21 humoristas que segundo o contrato, tinham cachês de até R$ 29,6 mil, mas os artistas dizem ter recebido no máximo R$ 2,5 mil por apresentação. Os comediantes afirmam ainda terem sido contratados por outra empresa, chamada Amuleto, que não consta na licitação. A redação do Jornal Nova Imprensa tentou contato com a companhia, mas não obteve retorno.

Contrato

O presidente da Câmara de Ilhabela, Antonio Marcos da Silva Batista (DEM), também enviou ofício solicitando a cópia integral de cada processo administrativo que culminou na contratação dos comediantes. No ofício 048/2019 questionou sobre a fragmentação de 21 processos administrativos para o pagamento destinado a uma empresa contratada e se há manifestação da Procuradoria Municipal e do Controle Interno sobre a questão.

Já a Prefeitura reafirmou que toda documentação relativa ao evento está à disposição da população.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, informe seu nome aqui