FOTO EM FOCO: Que mundo é esse?

0
345
® Márcio Pannunzio

Logo na entrada ele nos recepciona sorridente. Com as maçãs do rosto rosadas brilhantes de tanta saúde. É robusto; é obeso. E está inteiramente vestido de aveludado vermelho. Não carrega nas costas o saco de presentes. Esparrama-se isso sim moleirão num sofá macio também vermelho roçando sensualmente em sua versão feminina, a mamãe Noel, uma loira jovem e gostosa de minissaia.

- Publicidade -

Pais e mães, alucinados jogam seus filhos, suas filhas pequenas, tolos e tolas em sua infantil inocência, para o colo gordo e quente desse personagem todo dentes. Empunham então seus smartphones câmeras e se curvam quase reverentes no esforço de enquadrar na diminuta tela essa fantasiosa cena.

Nos outros ambientes, um clima invernal onde reinam estáticos bonecos de neve, gnomos, ursos polares adormece nossa mente no meio de paisagens nórdicas em palcos de faz de conta.

A poucos passos de distância, fora do shopping center com ar climatizado, o calor passa dos quarenta graus. A chuva de verão lava o asfalto quente e uma névoa de vapor embaça o ar.

A foto agora é outra. Ele é magro; magro não, esquálido. Está quase nu. Seus pés descalços mergulham na água suja que corre veloz na sarjeta. É um vulto escuro de costas arqueadas por carregar o grande peso de um enorme saco negro repleto a gente não sabe de quê. Mas adivinha: são restos, são imundícies, são dejetos. São coisas que jogamos fora; não nos servem mais; delas nos fartamos.

Nenhum pai, nenhuma mãe aninha seu filho ou filha no colo duro da falta de carnes dessa esquelética figura e a fotografa feliz.

Nenhum pai, nenhuma mãe, nenhum filho, nenhuma filha enxerga esse solitário preto miserável tomando chuva na rua; ele é invisível, ele é transparente. Desde muito cedo ensinam os bem aquinhoados a não ver gente da laia dele e de tanto não serem reconhecidos falam sozinhos, gesticulando para uma plateia imaginária e enfim, humana.

Todos os bem aquinhoados preferem acreditar num mundo de papai Noel bonachão voando num trenó puxado por renas dentro duma paisagem esbranquiçada e fria que nossos lojistas edificam com primor como se viva fosse a olhar e verdadeiramente ver essa legião de desafortunados carentes não só de tetos seus mas de sonhos habitando as marquises, os desvãos dos viadutos, os refúgios inóspitos da cidade de concreto.

Quem com sóbria lucidez se inquieta ao descortinar nesse lugar por demais próximas duas realidades tão visceralmente distantes uma da outra não enxerga desta feita deus misericordioso onde quer que seja nem mesmo aquele que dizem ter nascido esse dia e por isso não consegue articular o começo da frase com “meu deus, deus meu”.

Assim ela inicia e termina com “que mundo é esse? Mas que mundo obtuso, que mundo absurdo, que mundo desgraçado de ruim é esse nosso mundo!!!”.

Por Márcio Pannunzio

Matéria anteriorJovem de 15 anos morre afogado na Praia Grande de Ubatuba
Próxima matériaLanchas batem na Praia da Fome e deixam duas pessoas feridas
Márcio Pannunzio
Márcio Pannunzio, que reside em Ilhabela desde 1989, é artista plástico, fotógrafo, ilustrador, cartunista e jornalista. Seu trabalho de artista gráfico correu mundo e conquistou doze prêmios internacionais, entre eles, na XYLON 12 – International Triennial Exhibition of Artistic Relief Printing ( Suíça ), na Biennale Internationale d’Estampe Contemporaine de Trois-Rivières, Première Édition ( Canadá ), no 3º Concurso Internacional de Minigrabado “Ciudad de Ourense” ( Espanha ), na BIMPE V – The Fifth International Biennial Miniature Print Exhibition ( Canadá ), na 1st International Small Engraving Salon Inter – Grabado 2005 ( Uruguai ). No Brasil foi premiado em trinta e nove ocasiões entre elas: no 10º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no 50º Salão Paranaense, na 10ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba, no 3º Salão Victor Meirelles, no 2º Salão SESC de Gravura, no 26º Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional – Contemporâneo, no 7º e no 3º Salão UNAMA de Pequenos Formatos, na VIII e na VII Bienal do Recôncavo, na II Bienal da Gravura, na 4ª e na 2ª Bienal de Gravura de Santo André, na 5ª e na 3ª Bienal Nacional de Gravura Olho Latino. Foi bolsista da Fundação Vitae em 2002 e figurou entre os vencedores dos editais ProAc de Artes Visuais de 2008, 2010 e 2011. Realizou trinta e uma individuais, cinco delas no exterior. Pratica a fotografia de rua e investe também no fotojornalismo. É colaborador exclusivo da Istockphoto da Getty Images e parceiro da agência de fotojornalismo Foto Arena. Como jornalista colaborou como articulista na primeira versão do Jornal da Ilha, na Folha da Cidade, na revista por dentro do Baepi. Assina a coluna de opinião foto em foco no Nova Imprensa desde 2016.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, informe seu nome aqui