“A fotografia pode ser um espelho e refletir a vida como ela é, mas também acredito na possibilidade de, como Alice, atravessar um espelho e descobrir outro tipo de mundo com o auxílio da câmera.”

- Publicidade -

Palavras do fotógrafo britânico Tony Ray-Jones que imortalizou o ócio inglês no livro A Day Off – An English Journal e influenciou uma legião de novos fotógrafos, como Martin Parr a buscarem o outro lado do espelho.

Esse pensamento parece agora, com a banalização da fotografia, irrelevante. É uma pena. Fotografar tornou-se ato automatizado, irrefletido. O fulano/ a fulana encenando sempre a mesma patética pose, estica o seu braço que segura o smartphone paralelamente ao chão, eleva seus olhos esgazeados ao nível do buraco da lente, contorce seu lábio num sorriso afetado e falso e se fotografa como plano primeiro da paisagem.

É bacana que a fotografia tenha se democratizado, permitindo a todo mundo, principalmente a quem não tem recursos, exercitá-la. Porém, isso resultou num avassalador número de imagens contaminando com péssima qualidade fotográfica o nosso imaginário visual. E no meio de tanto joio, não se reconhece o trigo. Vitoriosa a mediocridade, pouca gente busca pensar antes de fotografar e por isso aquela frase de Ray-Jones fica esquecida.

Ela nos estimula a filosofar, embarcando em um retorno ao passado, até a Grécia antiga, para Platão e seu mito da caverna. O mito era uma metáfora marcando a diferença entre a aparência e a essência.

A fotografia pode transcender a aparência, a superfície da matéria, fazendo essa travessia do espelho. A máquina fotográfica nos possibilita dar esse pulo, mas o que nos capacita a fazê-lo é a nossa atitude. Ela precisa evitar cair no automatismo ora dominante que idiotiza a mente e anestesia a sensibilidade, modelando um mundo de faz de conta.

Enxergar o mundo “real” é olhar além das suas “sombras”. Ao ver um só seu fragmento ficamos assombrados com a sua complexidade que seguramente não se espelha em selfie açucarada tirada com pôr de sol vermelho de fundo.

As fotos da presente coluna constroem uma história. Foram feitas no mesmo dia e lugar, na BR 101, entre São Sebastião e Caraguatatuba e todas têm o protagonismo de pessoas vivendo seu cotidiano em local público. A rodovia é uma artéria viva, pulsante. A gente na sua beirada vive uma vida que não sai em primeira página de jornal. Muitas dessas fotos retratam a situação de esperar. Não interessa se é esperar por alguém ou pelo ônibus. O que sobressai delas não é tanto o ato de esperar em si, mas perceber que essa espera é enfim espera de melhor vida que tarda a chegar e talvez, nem venha. Existe então nessas fotos uma oposição entre excitação e dormência. O trânsito nervoso no asfalto e a inércia, a resignação das pessoas no acostamento. A vida barulhenta da estrada e a vida quase inaudível dessas pessoas.

É um outro lado do espelho? Não dá para saber ao certo. E não tem importância saber. Vale a máxima do viajante descolado: o que vale mais não é o prazer de se chegar ao destino, mas sim o encantamento do percurso.

Matéria anteriorEncomenda de drogas é flagrada pela PM em Caraguá
Próxima matériaCaminhão despenca 80 metros e deixa um morto e um ferido
Márcio Pannunzio
Márcio Pannunzio, que reside em Ilhabela desde 1989, é artista plástico, fotógrafo, ilustrador, cartunista e jornalista. Seu trabalho de artista gráfico correu mundo e conquistou doze prêmios internacionais, entre eles, na XYLON 12 – International Triennial Exhibition of Artistic Relief Printing ( Suíça ), na Biennale Internationale d’Estampe Contemporaine de Trois-Rivières, Première Édition ( Canadá ), no 3º Concurso Internacional de Minigrabado “Ciudad de Ourense” ( Espanha ), na BIMPE V – The Fifth International Biennial Miniature Print Exhibition ( Canadá ), na 1st International Small Engraving Salon Inter – Grabado 2005 ( Uruguai ). No Brasil foi premiado em trinta e nove ocasiões entre elas: no 10º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no 50º Salão Paranaense, na 10ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba, no 3º Salão Victor Meirelles, no 2º Salão SESC de Gravura, no 26º Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional – Contemporâneo, no 7º e no 3º Salão UNAMA de Pequenos Formatos, na VIII e na VII Bienal do Recôncavo, na II Bienal da Gravura, na 4ª e na 2ª Bienal de Gravura de Santo André, na 5ª e na 3ª Bienal Nacional de Gravura Olho Latino. Foi bolsista da Fundação Vitae em 2002 e figurou entre os vencedores dos editais ProAc de Artes Visuais de 2008, 2010 e 2011. Realizou trinta e uma individuais, cinco delas no exterior. Pratica a fotografia de rua e investe também no fotojornalismo. É colaborador exclusivo da Istockphoto da Getty Images e parceiro da agência de fotojornalismo Foto Arena. Como jornalista colaborou como articulista na primeira versão do Jornal da Ilha, na Folha da Cidade, na revista por dentro do Baepi. Assina a coluna de opinião foto em foco no Nova Imprensa desde 2016.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, informe seu nome aqui