Vereadores acatam veto a site para acompanhar obras públicas

0
8
Apenas quatro parlamentares manifestaram apoio à criação da
plataforma virtual
Vereador Professor Gleivison (Foto: CMSS/Divulgação)

Por Acácio Gomes

Por 7 votos a 4, os vereadores São Sebastião acataram o veto
na sessão desta terça-feira (2) ao projeto de lei para criar um site em que a
população pudesse acompanhar o andamento das obras pela cidade. Na lei, segundo
o autor Gleivison Gaspar, o Professor Gleivison (PMDB), deveria constar na plataforma
virtual o início e término da obra, custo total, secretaria fiscalizadora,
engenheiro responsável, finalidade da obra e imagens do projeto final.

Foram a favor do veto e ao parecer do Executivo os vereadores
Onofre Neto (PHS), Ernane Primazzi (PSC), Marcos Tenório (PSC), Marco Fuly
(PP), José Reis (PSB), Simei da Silva Ferreira (SD) e Edvaldo Pereira Campos, o
Teimoso (PSB).

“O voto é político. Se o veto for quebrado, não vai virar
lei. Coloca o Portal da Transparência pra funcionar que nem precisaria do
projeto”, sugeriu Ernaninho. Já o líder de governo, vereador Onofre Neto, disse
que a discussão é ampla e reforçou que o voto, para muitos, é político. “Mas
como procurador jurídico não posso deixar a questão técnica de lado, a formação
legal encontrou vício de iniciativa no projeto e por isso sou a favor do veto”,
justificou.

Contrários
Contra o veto – e a favor da criação do site – foram, além
do autor, os vereadores Reinaldinho Moreira (PSDB), Jair Pires (PSDB) e Ercílio
de Souza (SD). O presidente Luiz Santana Barroso, o Coringa (PSD) só votaria em
caso de empate. “Saiu do Executivo o veto, mas o Jurídico da Casa foi
favorável. Vetaram um projeto que aproxima a população das obras da Prefeitura
e da transparência. Não sabemos quando estarão prontas as pontes da Costa Sul,
o Hospital de Boiçucanga, por exemplo. A falta da vontade se mostra quando
vemos um Portal da Transparência desatualizado”, disse o autor Professor
Gleivison.

Para o vereador Jair Pires, a aprovação do projeto no
passado mostra que os vereadores deveriam acompanhar o que fizeram. “Foi um
projeto votado por unanimidade. O Executivo alegou custos para implantar a lei,
mas não vejo dificuldade de se criar a plataforma virtual.”

O veto
A proposta foi vetada pela Administração sob a alegação de
que a lei teria de ser de competência da Prefeitura e não do Legislativo, o que
feriria a Lei Orgânica do Município.
Ainda de acordo com a administração, “haveria necessidade de
admitir recursos humanos de operadores de informática, design e jornalista,
necessários à alimentação cotidiana para atender à constante atualização das
informações, cujo alcance dependeria de deslocamento às obras com veículo e
disponibilidade de equipamento fotográfico”.

- Publicidade -

No despacho do veto, o prefeito de São Sebastião, Ernane
Primazzi, ainda alega que o projeto de lei é “absolutamente desnecessário,
porquanto todas as obras realizadas pelo município são, em regra, procedidas de
licitação, com ampla divulgação para conhecimento geral”.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, informe seu nome aqui