FOTO EM FOCO: Close Ups

0
21

Close up é um termo já aportuguesado. Serve para descrever um plano de fotografia bastante próximo ao objeto fotografado, o que possibilita exibi-lo com riqueza de detalhes.


Não se trata de macro fotografia. Esta, revela um mundo de minúcias quase invisíveis a olho nu. Close ups flagram detalhes do objeto que podemos ver se chegarmos muito próximos, compartilhando uma intimidade pouco exercitada. 


Não é nada fácil fazer close ups de pessoas. É necessário quase encostar a câmera fotográfica no rosto delas, numa proximidade que transforma a câmera num artefato incomodo, assustador. E o resultado da foto quase sempre desagrada; as linhas de expressão, as rugas, as manchas na pele que ganham dimensão e vida nos close ups são abominados, principalmente pelas mulheres muito vaidosas e zelosas de uma autoimagem sempre juvenil.


Close ups de objetos não melindram ninguém, tendo a vantagem adicional de revelarem beleza onde não a percebíamos. Os da coluna retratam flores que encontramos em nossos jardins do litoral. Helicônias e o exótico bastão do imperador. Que realmente faz jus ao nome. Uma dádiva para quem o tem plantado em casa: poder sentir-se o imperador ou a imperatriz da sua moradia por mais modesta que ela o seja.


- Publicidade -
Por Márcio Pannunzio










*Os direitos autorais das fotos da coluna Foto em Foco pertencem a Márcio Pannunzio. Desrespeitar o direito do autor é crime. Havendo interesse em usar qualquer fotografia da coluna para fins jornalísticos, institucionais, didáticos ou publicitários, entre em contato para negociar o devido licenciamento de uso de imagem: marciopann@gmail.com

  Conheça mais trabalhos de Márcio Pannunzio pelos sites: www.marciopan.art.brwww.marciopan.comwww.ilhabelaemfoco.com e www.retratararte.com. E aqui no Foto em Foco, toda semana uma diferente série fotográfica.

Matéria anteriorPeça “Caiçaras: o povo do mar” ocupa casarão antigo e emociona o público
Próxima matériaMárcio Tenório apresenta nome de secretários
Márcio Pannunzio
Márcio Pannunzio, que reside em Ilhabela desde 1989, é artista plástico, fotógrafo, ilustrador, cartunista e jornalista. Seu trabalho de artista gráfico correu mundo e conquistou doze prêmios internacionais, entre eles, na XYLON 12 – International Triennial Exhibition of Artistic Relief Printing ( Suíça ), na Biennale Internationale d’Estampe Contemporaine de Trois-Rivières, Première Édition ( Canadá ), no 3º Concurso Internacional de Minigrabado “Ciudad de Ourense” ( Espanha ), na BIMPE V – The Fifth International Biennial Miniature Print Exhibition ( Canadá ), na 1st International Small Engraving Salon Inter – Grabado 2005 ( Uruguai ). No Brasil foi premiado em trinta e nove ocasiões entre elas: no 10º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no 50º Salão Paranaense, na 10ª Mostra da Gravura Cidade de Curitiba, no 3º Salão Victor Meirelles, no 2º Salão SESC de Gravura, no 26º Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional – Contemporâneo, no 7º e no 3º Salão UNAMA de Pequenos Formatos, na VIII e na VII Bienal do Recôncavo, na II Bienal da Gravura, na 4ª e na 2ª Bienal de Gravura de Santo André, na 5ª e na 3ª Bienal Nacional de Gravura Olho Latino. Foi bolsista da Fundação Vitae em 2002 e figurou entre os vencedores dos editais ProAc de Artes Visuais de 2008, 2010 e 2011. Realizou trinta e uma individuais, cinco delas no exterior. Pratica a fotografia de rua e investe também no fotojornalismo. É colaborador exclusivo da Istockphoto da Getty Images e parceiro da agência de fotojornalismo Foto Arena. Como jornalista colaborou como articulista na primeira versão do Jornal da Ilha, na Folha da Cidade, na revista por dentro do Baepi. Assina a coluna de opinião foto em foco no Nova Imprensa desde 2016.

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, informe seu nome aqui